quinta-feira, 27 de março de 2014

Magia ou Ciência? Por Régia Prado



Radiônica é uma ciência milenar, que usa parâmetros já estabelecidos pelos radiestesistas para mensurar o que está dentro ou fora do que consideramos um padrão ideal, e a Radiônica é uma maneira de usar magia (manipulação de energias) com um objetivo específico, só que agora de uma forma mais científica.

É mais ou menos assim: a magia, a manipulação de energia, sempre existiu, isso está gravado no inconsciente da humanidade; desde criança aprendemos aprendemos a fazer pequenas magias e simpatias para conseguir o que queremos, isso chega na adolescência... mas isso estava associado as bruxas, feiticeiros e alquimistas, ao sobrenatural já que usava elementos da natureza nessa manipulação, mas sempre com a intenção do operador.

A Radiônica é uma forma mais segura e também mais aceitável, pois tem conotação de ciência e não de magia. Mas, no final, considero que seja a mesma coisa, é que nos cursos de Radiônica aprendemos a responsabilidade da lei do retorno e, portanto, a sermos cuidadosos com o que enviamos: aprendemos que tudo volta e prometemos usar somente para o bem do próximo, sempre com o intuito de ajudar. A Radiônica perde a conotação de magia e passa a ser ciência pois lida com formas, como o caso das pirâmedes, pilhas cósmicas e máquinas! Sim máquinas onde você coloca o cabelinho da pessoa e na outra forminha o “remédio” necessário.

Com o tempo as máquinas foram substituídas (embora ainda existam muitas em uso ainda) pelas formas, pelo desenho o qual denominamos placas radiônicas. Aí entra uma grande discussão entre os radionicistas tradicionais e os mentalistas. Os tradicionais insistem em defender que para ser Radiônica de verdade é preciso haver o uso de máquinas – que já foram provadas como neutras – e defendem que as placas são psiônicas pois dependem da intenção do operador. Mas se para operar a máquina e colocar o remedinho é necessário o uso do pêndulo e do operador, não envolve a psiônica? Por outro lado os mentalistas defendem que a mente do operador é o principal instrumento envolvido. Fica uma briga danada!

Em resumo:

A Radiônica tradicional faz uso da máquina, mas também faz uso das formas e das energias que elas emitem. Ponto.

A Radiônica mentalista (que prefiro chamar de Psiôncia) é a extensão da Radiônica tradicional onde máquinas são substituídas pelas placas com louvor! mas ainda precisam da mente do operador.

E a Mesa Radiônica vem da Radiônica Psiônica, pois sem a intenção do operador não fazem nada sozinhas. O nome Mesa Radiônica surgiu porque Juan Ribaut uma vez em uma palestra colocou as placas em uma mesa para mostrar ao público todas de uma vez e disse: “vejam a minha mesa radiônica” . Daí surgiu a ideia de reunir as formas das placas em um só gráfico. Inicialmente a Mesa continha apenas desenhos das formas, mas que foram evoluindo e sendo substituídas por símbolos que também estão gravados no inconsciente coletivo, segundo a psicologia, a língua que todos os subconscientes entendem.

Com a explosão da nova ciência a Física Quântica, começa a ser explicado porque isso funciona e como funciona trazendo os termos: frequências, modulação de ondas, corpos morfogenéticos, observador, etc.

E o legal é que explica tudo desde a magia até a Mesa Radiônica, apenas presenciamos um ciclo de evolução mas que, no fim, é a mesma coisa!”

Professora Régia Prado em artigo publicado no site Somos Todos Um

Jesus Cristo nos ensinou absolutamente TUDO!

Bioenergia

Flor da Vida!

Exercício Para Meditação!

Dra. Jill Bolte Taylor autora do livro A cientista que curou o próprio cérebro.